segunda-feira, 31 de outubro de 2016

* É MUITO MAIS QUE UMA COR *


"Mas é apenas um cinturão amarelo! O que tem de tão especial?"
Não, não é apenas um cinturão amarelo, é muito mais que isso.
É a certeza que esta foi uma decisão acertada. É a certeza de que não ter permitido que a Benedita desistisse do karatê foi sempre o mais correto.
Sabes o que é levares a tua filha a praticar uma atividade e ouvires sempre "não gosto do karatê", "quero desistir do karatê", "detesto aquilo", "deixa-me ficar em casa hoje"?
Pois eu sei bem o que isso é.
Quando decidi que a Benedita ia praticar karatê, pensei sinceramente que seria muito mais fácil conquistá-la. No entanto, as coisas não correram assim tão bem.
No início e durante largos meses tinha que ficar a assistir às aulas pois ela chorava se não me via ou se não via o Pai.
Fazia passos de dança frente ao espelho, colocava a língua de fora, mexia-se quando era para ficar quieta.
Uma batalha de longos e vários meses.
Em casa sempre o mesmo choro: "és má mãe.", "não queres que eu seja feliz!", "deixa-me desistir.".
Ao choro da filha juntava-se em surdina o apoio do Pai: "A menina não gosta disto. Deixa-a desistir, ainda é tão pequena."
Não. Nunca cedi. Desistir nunca foi uma opção.
Permiti que muitas vezes não fosse aos treinos, mas nunca permitiria que desistisse. Apenas uma exceção:
"Quando fores cinturão preto permito que desistas se assim o desejares. Até lá continuarás no karatê."
Um dia uma amiga dela perguntou-me: "Porque obrigas a Benedita a andar no karatê? A minha mãe deixa-me fazer só o que eu gosto."
Respondi-lhe que: "Na Vida nunca iremos fazer só o que gostamos e a Benedita tem que aprender a lidar com isso."
Creio que a minha resposta lhe deverá ter feito pensar algo como "Graças a Deus que não és minha mãe."
Não quero uma filha que não saiba lidar com a frustração. Quero uma filha que independentemente das circunstâncias saiba adaptar-se à realidade e lidar com as coisas menos boas que possam surgir.
E se já sabia, porque sempre acreditei na miúda que tenho em casa, hoje tenho mais certezas e um imenso orgulho por saber que ela será capaz de o fazer sempre que a Vida a isso a obrigue.
A Benedita durante muito tempo não queria fazer exame. Tinha medo de falhar. A quem sairá?!
No passado dia 28 de Outubro realizou o seu primeiro exame para cinturão amarelo.
Eu estava mais nervosa que ela! O meu coração pulava acelerado.
Abracei-a e num beijo demorado disse-lhe:
"Se falhares o teu Mestre vai dizer-te o que tens de melhorar e vais treinar mais para fazeres melhor. Mas se desistires nunca saberás do que és capaz. Amo-te filha e vou sempre amar-te."
A Benedita recebeu o cinturão amarelo. Rejubilou de alegria e felicidade. O orgulho dela naquele cinto foi e é tanto que o meu coração transbordou de emoção.
"Mas é apenas um cinturão amarelo! O que tem de tão especial?"
O que tem de tão especial?
Tem a vontade e a força da minha filha. 
Tem o carácter e a energia de uma menina que agora com 6 anos já nos responde:
"Vê o lado bom da coisa agora já quero ir ao karatê."
E assim se fez o click que faltava (espero eu!).
Até já cinturão verde. Só parámos no preto.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

* OBRIGADA 35 MAS EU QUERO MAIS *


Hoje chego, finalmente, aos 36.
E festejaste assim tanto?
Claro que sim. O mais que pude.
Os 35 não foram os melhores da minha Vida.
Passei por muitas "trapalhadas", discuti muito com o marido, gritei ou berrei com os meus filhos em demasia, irritei-me facilmente e senti-me esgotada!
Isto é tudo o que não quero na minha Vida. 
Por isso celebrei a saída dos 35 com muito entusiasmo.
Agradeço aos 35 as lições que me trouxe, mas agora quero mais, quero os 36 com toda a minha capacidade de amar, de rir e sorrir, de viver e aproveitar cada segundo que partilho com aqueles que são o meu mais precioso bem.
Olho para fotos mais antigas e sinto-me bem melhor.
Acho mesmo que envelhecer me tem feito bem, muito bem até!
Há anos fenomenais e eu sei que este será um desses.
Passam agora 18 anos sobre um ciclo importante da minha Vida. E se os 18 foram fantásticos os 36 serão ainda melhores.
Mas uma coisa permanecerá igual aos 35 e a todos os outros que precederam: Sou quem sou porque nunca fui quem não quis ser.
Obrigada 35 mas agora sou dos 36.


Publicação em destaque

* É MUITO MAIS QUE UMA COR *

" Mas é apenas um cinturão amarelo! O que tem de tão especial? " Não, não é apenas um cinturão amarelo, é muito mais que is...